segunda-feira, 24 de julho de 2017

Pela primeira vez o Festival de Inverno de Bonito promove Oficina de Observação de Aves

Udu-de-coroa-azul(Momotus momota)
Ave símbolo de Bonito, MS

A Oficina de Observação de Aves inaugurou as atividades do 18º Festival de Inverno de Bonito-MS que neste ano de 2017 tem como tema “diversidade natural e cultural”. Pela primeira vez na história dos festivais de inverno de Bonito a Observação de Aves é também um elemento reconhecido enquanto memória e identidade cultural de uma comunidade.

A percepção e sensibilidade da Fundação de Cultura do MS ao unir os patrimônios cultural e natural demonstra que estamos num caminho de transformação e conquistas para territórios e sociedades mais sustentáveis.

Reconhecer os serviços ecossistêmicos, os valores da biodiversidade e a conectividade existente entre os elementos da natureza e como isso tudo está intrinsecamente associado à nossa cultura nem sempre é tarefa fácil e perceptível. Esse também foi um dos desafios da oficina. A partir do conhecimento se gera sensibilidade.



O que foi visto durante a oficina de observação de aves? Além das metodologias técnicas de se observar e identificar as aves, houve
Oficina de Observação de Aves, Bonito - MS

interação entre pessoas e novas amizades foram construídas. O impacto da observação de aves ficou evidenciado no turismo, na educação, na ciência e na cultura da sociedade. No saldo geral cerca de 80 espécies de aves foram registradas durante os dois dias de saídas a campo e passarinhadas.
Promovido pela Fundação de Cultura do Mato Grosso do Sul e ministrado pela equipe do Instituto Mamede de Pesquisa Ambiental e Ecoturismo a
Atividade de campo
Oficina de Observação de Aves proporcionou aos participantes a oportunidade de se conhecer metodologias de observação, técnicas de identificação de espécies de aves a partir das marcas de campo, shapes, cores, vocalizações, além de momentos de integração e reconexão com a natureza, ampliação de novas redes de contato e fortalecimento de laços de amizade entre os participantes.
A oficina permitiu ainda, a compreensão das diversas formas de atuação da rede de interações existente no mundo natural e como o paisagismo funcional na cidade, os jardins de beija-flores e tantos outros elementos que constituem modelos menos estéreis de paisagismo podem agregar biodiversidade e bem-estar humano.

Atividades teóricas interativas
E como terminou? Com o imenso desejo de continuidade de novos encontros para Observação de
Aves, e claro, com a tradicional Feira de Trocas: tem algo e não usa mais? Põe na roda para circular!! Entre livros de aves e de assuntos diversos, bolsas, CDs, serviços de guiagem, corujadas, capa de chuva, ovos de codorna e tudo o mais que a criatividade dos participantes permitiu.

Liliane Cascaes


Agradeço muito à Maristela e Simone pelas contribuições e condução com maestria da oficina de Observação de Aves, ocorrido no período de 21 a 23 de julho no festival de inverno de Bonito, MS, 2017. A percepção e conhecimento de Maristela e Simone nos levaram a compreender o comportamento das aves, a interagir e a respeitar seu habitat. Parabéns pelo excelente trabalho!!! (Liliane Cascaes, Agência Bonito Brasil Turismo).



Roberto Benites


Parabéns pela Oficina, aprendi muito com vocês. Bonito precisa
muito de pessoas como vocês e de eventos que unam cultura e meio ambiente. Obrigado! (Roberto de Fátimo Benites, Monitor Ambiental).



Nadia León

Curso muy interesante que acerca al hombre a la naturaliza sin interferir en ella. Alejar al hombre de la naturaliza, no es solución, sino buscar estratégias y plataformas viables para inserirlo a la misma de tal manera que sume y no reste, es una forma de preservar, pues quien no conece, no aprecia y mucho menos ama. Gracias. (Nadia León).



Sarita Souza
Enquanto cursista da oficina de Observação de Aves aprendi o que é “passarinhar”: curtir o momento da procura, a descoberta das aves, contemplá-las e se esquecer do tempo. É maravilhosa a natureza e a harmonia da fauna e flora. De uma certa forma, naquele momento de “passarinhada” voltamos a nos reconectar com ela – a natureza. (Sarita Souza, Historiadora).


Elijane Coelho


A percepção é uma habilidade que precisa ser treinada. Quando
passamos a ouvir os sons da natureza, a estar atentos às belezas, levezas e movimentos das aves, o mundo fica muito mais interessante. Este foi o despertar que tive durante esta oficina. Saio com a decisão de estudar, de afinar a percepção, para poder estimular essa percepção aos que participam das caminhadas do Sopa de Pedra Turismo e Aventura. (Elijane Coelho - Lili, Agência Sopa de Pedra Turismo e Aventura).


Amanda Xavier


Ministrado por pessoas muito atenciosas a oficina tornou-se ainda mais estimulante, uma vez que, além de proporcionar maior percepção quanto ao ambiente a nossa volta, nos mostrou nossa inclusão nele e também como funciona sem nós no momento em que éramos observadores, ou seja, o funcionamento do todo e das partes. Foi ministrado de uma maneira descontraída e estimulante. (Amanda Xavier, cursista).






Em relação à Oficina de Observação de Aves, foi muito gratificante e de
Aldo Silva
muita aprendizagem. Professoras muito qualificadas, com imensa paciência em nos ensinar os nomes das aves. Aprendi muito com essa oficina. Fiz novas amizades e eu só tenho a agradecer a todas as pessoas que contribuíram para que pudéssemos realizar essa oficina. Parabéns a todos. (Aldo Silva, Monitor Ambiental).





Simone Mamede



Esta oficina foi um belo insight da Fundação de Cultura que possibilitou o exercício de uma ciência mais cidadã, treinou olhares e habilidades e promoveu a percepção da integração entre os patrimônios. (Simone Mamede)


Maristela Benites

Poder levar e integrar saberes sobre nossa biodiversidade onde, no
final, a conservação é consenso e desejo de todos é, sem dúvida, uma das melhores sensações do pesquisador, instrutor e cidadão cientista. Enxergar a diversidade de aves como elemento integrante da nossa identidade social e biológica nos ajuda a compreender nossa condição de seres interdependentes e responsáveis pela manutenção de um planeta viável a todos os seres vivos. (Maristela Benites)















quarta-feira, 19 de julho de 2017

III Curso de Biologia de Campo: do Cerrado à borda do Pantanal

Janela do Pantanal

Tem coisa melhor que estudar nas férias de julho?

Pode ter certeza que muitos futuros biólogos, como os que participaram deste curso de campo, podem te responder que não há coisa melhor!
Entre o Cerrado e a borda do Pantanal
Foram dias e noites intensos em imersão ao mundo da biologia, conhecendo e vivenciando as riquezas do bioma Cerrado em zona de transição com o Pantanal. Entre os temas abordados estiveram o papel social do biólogo, técnicas de estudos em botânica, insetos, avifauna, mastofauna, além de educação ambiental e ciência cidadã.
O curso de biologia de Campo promovido pelo Instituto Mamede e parceiros (UNIDERP e Instituto Quinta do Sol), em sua terceira edição, tem como objetivo aprimorar as práticas/técnicas de campo em associação ao ensino de ciências e biologia, sem ignorar, contudo, o contexto social em que os sujeitos (educador e educando) estão inseridos, apontando caminhos e viabilizando a correspondência entre pesquisador e cidadão cientista.


Christian L. Bergamini, acadêmico de biologia


Foi uma satisfação estar perto de tudo aquilo, sinto-me mais saudável, vivo, inteligente e esforçado. O curso, além de nos oferecer um pouquinho sobre o Cerrado e o Pantanal, nos uniu como amigos. (Christian L. Bergamini).



Camila Oliveira, acadêmica de biologia





Foi Maravilhoso poder participar do III curso de biologia de campo com excelentes professores. Adorei me conectar com a natureza e colocar em prática algumas coisas que aprendi em sala. (Camila Oliveira).



Débora Maidana, acadêmica de biologia
Poder colocar em prática alguns dos conhecimentos já adquiridos em aulas e vivenciar toda uma nova experiência com colegas e professores incríveis foi o que tornou o III Curso de Biologia de Campo inesquecível para mim!!
(Débora Maidana)





Gabriel Pleutin



Adorei ter dividido o conhecimento com todos do curso, aprendi que isso não só me trouxe a sabedoria, mas nos tornou mais próximos e mais amigos. A amizade é um dos bens mais preciosos que podemos ter. O conhecimento nos encantou através das vivências junto à natureza (Gabriel Pleutin).




Prof. Gleidson Melo
O III Curso de Biologia de Campo se destacou pelo espírito de união e companheirismo entre todos os participantes. A integração da prática aliada ao conhecimento teórico oportunizaram significativos resultados em prol da construção do conhecimento, desenvolvimento da pesquisa científica e sensibilização a respeito de como é importante conservar o ambiente natural do Cerrado brasileiro à borda do Pantanal Sul-mato-grossense. (Gleidson Melo).

Profa. Maristela Benites


Permitir que o estudante de biologia tenha contato com várias metodologias e as experimente em campo, torna o aprendizado mais efetivo, dinâmico, aprazível e o mundo vivo e real pode, dessa forma, ser revelado. Estes são alguns dos nossos objetivos e desafios nos cursos de biologia de campo que promovemos. Vi olhos brilhando frente ao conhecido - muitas vezes despercebido no cotidiano -, e olhos encantados diante do desconhecido. Ensinar também é encantar, é o que pude, mais uma vez, constatar! (Maristela Benites).

Bruna Andrade, monitora



O III Curso de Biologia de Campo proporcionou, além do conteúdo teórico, práticas de campo voltadas à abordagem científica, com a orientação de professores especializados em diversas áreas do conhecimento. Como monitora, pude relembrar, aprender e observar o crescimento e integração dos alunos do primeiro e último ano de graduação. Tudo isso em meio à paisagem deslumbrante do bioma Cerrado, chegando até a borda do Pantanal, onde pudemos observar nitidamente, do Planalto, a imensidão da planície pantaneira (Bruna Andrade).


Profa. Simone Mamede
Idealizar, planejar e vivenciar os cursos de biologia de campo nos inspira a caminhar, seguir em frente, investindo em conhecimento, técnicas, tecnologias, sonhos, nas atuais e futuras gerações. Este curso vem contribuindo não só para a formação de excelentes profissionais, mas também na formação de pessoas mais humanas, que lutam por uma sociedade mais plena, justa e principalmente sustentável. Sigamos trilhando o caminho de conquistas socioambientais com vistas a territórios mais sustentáveis. (Simone Mamede)



Fernanda Manzur, 
acadêmica de biologia





Participar do III curso de biologia de campo foi uma das melhores experiências que já vivi.. Poder aprender na prática o que vimos em teoria estando em meio à natureza, adquirindo e compartilhando informações. Não poderia ter sido melhor, com professores maravilhosos. Foi demais!!!! (Fernanda Manzur).



Nancy Proença, agente de viagem
Parabéns pela excelente ideia do curso de biologia de campo no período de
férias. A "escolha" do lugar foi de grande importância também para a realização das pesquisas, unindo o teórico e a prática de forma intensa, gerando curiosidade, interesse por novos conhecimentos, incluindo a visualização das espécies, interação e vivência. A motivação gerou um ambiente de descontração e harmonia. Para mim, como agente de viagem, foi uma grande experiência, aprendizado e novas ideias de roteiros no Cerrado. (Nancy Proença).